close

Neste dia dos professores Gilmar Santos participa do movimento “o precatório é nosso” e exige melhores condições de trabalho para categoria

“Nós professores e professoras necessitamos de políticas públicas de valorização! Somente assim a gente consegue desenvolver uma sociedade digna”, afirmou o parlamentar

O professor e vereador Gilmar Santos apoiando a luta dos professores e professoras da rede municipal de ensino de Petrolina participou, neste 15 de Outubro, de uma manifestação do movimento “O Precatório é Nosso” em defesa do repasse dos precatórios do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), conforme previsto na Lei 11.494/07.

A categoria vem reivindicando o pagamento dos precatórios desde 2007, cujo valor estipulado para Petrolina é de R$ 90.228.452,20 milhões. 60% desses recursos devem ser distribuídos entre os professores do ensino fundamental que atuavam na rede municipal entre 1998 e 2006, e 40% devem ser investidos nos demais setores da educação.

Depois da manifestação, Gilmar que junto ao Mandato Coletivo tem acompanhado e participado dessa luta cobrou mais uma vez, durante a sessão ordinária desta quinta-feira, a atualização do Estatuto e Plano de Carreira do Magistério (EPCM), a efetivação do Plano Municipal de Educação e melhores condições de trabalho para os profissionais da educação, principalmente diante do atual cenário de desmonte das políticas públicas voltadas para a educação.

“Nós lamentamos muito porque além dos abraços e elogios que nos fazem desta data, nós queremos condições de trabalho! Queremos realmente que o Plano Municipal de Educação seja respeitado. Nós temos um plano, aprovado em 2015 com previsão de vigência até 2025, que diz que 100% dos professores da rede municipal até 2025 devem ser efetivos e não contratados, porém nós estamos em 2020 e mais de 50% dos professores da rede são contratados. Nós queremos mais concursos e que o Estatuto e Plano de Carreira do Magistério seja atualizado. Há dez anos este estatuto não é atualizado e isso resulta em professores com remuneração defasada, sem condições de trabalho. Desde 2017 que a gente vem chamando atenção da gestão municipal sobre o Conselho Municipal de Educação que passou três anos sem atividade efetiva, mas somente em dezembro do ano passado é que nós tivemos uma nova recomposição. Nós professores necessitamos de políticas públicas de valorização! Somente assim a gente consegue desenvolver uma sociedade digna”, afirmou o parlamentar.

Relembre:

  • Em julho de 2019 Gilmar participou de uma Assembleia puxada pelos/as Professores/as da Rede Municipal de Petrolina [VEJA AQUI]
  • Em dezembro de 2019 Gilmar realizou audiência pública na Câmara Municipal para debater sobre os precatórios e o EPCM no município de Petrolina [VEJA AQUI]
  • Desde 2017 Gilmar vem cobrando a reestruturação dos Conselhos de Juventude, Educação e Cultura [VEJA AQUI]
  • Em julho deste ano (2020) trouxe como tema do programa Chame Gente “Petrolina, Fundeb e o futuro da educação no Brasil” [ASSISTA]
  • Em outubro deste ano (2020) trouxe como tema do programa Chame Gente “a nova política federal de educação inclusiva e os desafios para Petrolina” [ASSISTA]
Quero ajudar!